Para competir no circuito profissional do CT, a mulherada precisa enfrentar um ano inteiro de etapas no mundo todo pra se qualificar. Segundo livro de regras da WSL, as primeiras 10 ranqueadas do CT tem a vaga garantida para a próxima temporada, assim como as 6 melhores do ranking do QS (a menos que uma delas já esteja classificada como Wildcard). No caso de empate entre duas surfistas do CT, uma delas poderá preencher a vaga de wildcard ou serão apenas 5 as qualificadas do QS. Confuso? Calma! Vai fazer sentido!

No final do ano, as surfistas do QS têm seus 5 melhores resultados somados para decidir quem serão as 6 a competir o CT do ano seguinte. E Wildcard é aquela surfista que se destacou durante um evento ou a temporada e é eleita pelo Comissariado da WSL, recebendo pontos durante a temporada e sendo convidada a participar do circuito do ano seguinte.

Quem pode competir? Qualquer surfista que esteja em dia com a mensalidade da WSL.

Como funcionam os QS? São 40 eventos por temporada (60 no masculino) e são 5 os formatos da série de qualificação da WSL: de 1000, 1500, 3000, 6000 e 10000 pontos. Para chegar a competir o QS 10000 é preciso passar, logicamente, pelos de menor pontuação. Os QS 1000, 1500 e 3000 devem manter o mínimo de 48 surfistas, com 87 baterias de 20, 25 ou 30 minutos, contabilizando 34 horas e 40 minutos de prova. Os eventos de 6000 e 1000 pontos devem manter o mínimo de 60 surfistas, com 35 baterias de 25, 30 ou 35 minutos, contabilizando entre 14 horas e 35 minutos e 17 horas e 35 minutos, a critério do Chefe de Juízes.

Mesmo com todos esses pequenos detalhes o básico se mantém: surfar a bateria, avançar de round e garantir uma posição boa no ranking. Essa semana, por exemplo, mais um brasileiro se classificou para o WT de 2018. Yago Dora foi campeão do evento de Azores e garantiu a pontuação necessária para permanecer entre os 6 melhores da qualificação. Yago está em segundo lugar, atrás do também brasileiro Jessé Mendes, que fará companhia ao curitibano no ano que vem.

Do lado das nossas meninas, a primeira colocada do QS é a cearense de 32 anos Silvana Lima, que atualmente ocupa a 15ª colocação no ranking do CT e é a única brasileira na competição.

Lembrando que a etapa de Trestles já começou e vai rolar cobertura pelo stories da Longarina. A próxima chamada para a competição das meninas é amanhã às 11h30. Não vai ficar de fora, né? Segue lá @longarinaoficial.