Wakeboarding é vida! |Por ThamyCatanante

 

wakecapa Dessa vez quero compartilhar com vocês uma das minhas muitas paixões: o Wakeboarding. É simplesmente apaixonante a sensação da prática desse esporte; sentir o vento batendo no rosto, o spray da água quando a prancha entra em contato com a superfície e sentir a pranchinha deslizando como um foguetinho. É uma adrenalina viciante, que depois de experimentarmos pela primeira vez não queremos parar mais.

Esse esporte de prancha vem crescendo muito no Brasil e entre as meninas. Fiquei realmente impressionada com a quantidade de garotas que praticam e competem por aqui. O Wake tem uma Associação que regulamenta o esporte, a ABW, que está sempre lançando eventos, fiquem ligadas às atualizações deles pelo site.

Assim como todos os esportes, o Wake requer muito treino, persistência e claro, um instrutor capacitado e equipamentos de segurança para a prática e para que o prazer do esporte não vire um pesadelo…

Mas a grande pergunta é: “Como andar de wake??

Para praticar são necessários os equipamentos básicos como: prancha com botas, colete salva-vidas, handle e uma lancha ou Jetski para rebocar o atleta ou um Cable Park – os melhores lugares para a prática hoje em dia são: Cable Parkes em São Paulo, Espírito Santo e Fortaleza, Lagoa Rodrigo de Freitas/RJ e Lago do Tarumã/Manaus.

A escolha da prancha certa não é algo rápido, temos que atentar para os inúmeros tamanhos, modelos e shapes, assim como é no surf e na busca pelo skate ideal.

1) As pranchas são proporcionais ao peso do atleta, então quanto mais peso maior será a prancha e esses foguetinhos possuem uma angulação que podemos perceber ao olhar de ponta a ponta chamada de Rocker, há 3 tipos : Rocker continuo, Rocker 3 estágios e Rocker hibrido.

As pranchinhas para iniciantes tendem a ser mais planas, cada tipo de rocker é utilizado de maneira diferente; os contínuos são mais rápidos, os de 3 estágios dão mais impulsão no salto e o hibrido seria um mix dos dois primeiros.

2) A escolha das botas também é muito importante, pois é como calçar um sapato confortável, ou um tênis ideal para correr. As botas tem que fixar bem os calcanhares e tornozelos, podem ser fechadas ou abertas.

 

Após ter tudo em mãos, o primeiro desafio é ficar em pé na prancha!! Então, vamos lá!!

 

3) Para quem nunca ficou em pé em cima de uma prancha de wakeboard, é necessário segurar o handle com as duas mãos de palmas para baixo e os joelhos deverão estar dobrados e seus braços ao redor deles, ainda segurando firme a manete (handle), parece estranho, mas imaginem que estão sentadas em uma cadeira. Corpo e prancha estarão flutuando, mas não se preocupem, pois o colete não as deixará afundar.

No momento em que o barco arrancar não se precipite, deixe que o barco faça a força e comece a puxá-la, então transferi-la do cabo para as pernas. No Wake usamos muito os músculos das pernas, não apenas os dos braços como muitos pensam, no início podemos ficar agachadas até que tenhamos o equilíbrio suficiente para nos levantar, devemos também prestar atenção à postura, que deve ser ereta e manter as pernas flexionadas.

 

Agora é sair da teoria e ir pra água! Preparadas para sentir o vento bater e toda a adrenalina percorrer o corpo?

E aí? Que tal se jogar no wake?