Na saudade de levantar temas polêmicos por aí, voltamos! Com mais uma pro #SalNosOlhos! Em meio a tantos acontecimentos resolvemos levantar a bola da exposição que vemos de corpos (ma-ra-vi-lho-sos) sobre pranchas, sejam elas de surf ou skate.

É polêmico, é reflexivo, é pra provocar, mas vamos lá!

Numa época onde o #empoderamento da mulher ganha cada vez mais voz, a reivindicação por igualdade, o desabafo de atletas que não conseguem o apoio que desejam por não serem vistas com perfis de ‘modelos’, a luta para a mídia/publicidade parar de expor as mulheres como uma peça de vitrine e tantos outros movimentos, vem abaixo quando temos atletas referência posando em ensaios sensuais?

Fomos questionadas, como canal feminino, sobre o tema que gerou horas de reflexão por aqui. Não há uma resposta definida mas há o que queremos compartilhar com vocês.

“Toda tendência vem com uma contra tendência”, ou seja, se de um lado do globo vemos a tendência de comer coisas saudáveis e a onda do detox , do outro vemos receitas de bacon lovers regados à nutella, tendeu? o 8 e o 80 sempre caminham juntos!

O segredo é achar o equilíbrio no caminho do meio. Aí sim chegamos no ponto que queremos.

No último mês a skatista @LetíciaBufoni mostrou num ensaio sensual para a Revista TRIP, e em março para o Canal OFF   suas belas curvas, causando opiniões divididas entre quem amou o ensaio e quem achou ‘desnecessário’.

corpo-mat-horiz4-autumn-sonnichsen

Foto: Autiumn Sonnichsen | Revista TRIP

Vemos essa mesma divisão de opiniões no universo do surf, quando o assunto é a exposição do corpo ou melhor, o foco da mídia e o peso dado aos perfis comerciais e corpos sarados das surfistas.

Lembra quando falamos que junto com uma tendência vem a contra-tendência? Então, junto com o discurso do empoderamento da mulher, desfoque das curvas e bundas na publicidade e erotização, vem o discurso do corpo livre, a admiração do belo e exposição do corpo que também não está errado! (#SDD de quando vivíamos pelados pintados de verde ou correndo na grama, né Kelly?)

Para nós o cheque-mate é como e qual peso será dado as coisas. Será que a questão é vermos a @LetíciaBufoni posando para ensaios de maior exposição ou é a canibalização que acontece sob os olhares de quem a observa? (em 87% das vezes masculino). O negócio é a superestimação do tema, o exagero cansativo que vemos nos canais e revistas AND a objetificação da mulher. Fora isso, se o corpo fosse visto sob outro aspecto, como algo natural que é, em suas mais diferentes formas, cores, pesos e afins, metade desse texto não existiria, MAS essa idéia tá longe e enquanto ela não chega nas cabeças, a gente só sonha com uma coisa: o equilíbrio. Que esse tema não seja censurado como também não seja banalizado.

Reivindicamos diariamente para sermos livres dentro de nossos pontos de vistas, saia curta pode, e longa também, batom vermelho pode e cara lavada vai bem, rasteirinha vale e salto alto, quando convém.

Não vamos nos tornar juízas da verdade com críticas afiadas!

“Se você não consegue representar ou ver a forma feminina sem erotizá-la, você tem uma mentalidade muito machista” _ @oempoderamento

Será que se o corpo fosse visto como algo natural, seja ele como for, e não um acontecimento do ano que estampa capa de revista e TVs, teríamos o uso da imagem erotizada das mulheres e das atletas para venda e entretenimento?

É engraçado como não vemos esse tipo de discussão sobre nossos atletas hombres, não é mesmo? mas aí é outra pauta.