Uma paz, imensa e indestrutível, te invade quando você pisa na pista sem ter hora pra ir embora. Depois que os carvings e batidas (de back e de front side) já estão na base, hora de ir pra cima do copping. Para as apaixonadas por bowl, o rock’n roll to fakie é uma das primeiras manobras na borda que a gente aprende!
Verdade número 1: se você sabe dropar e domina bem o fake dentro do bowl, você já sabe encaixar o rock. Simplesmente porque quando a velocidade está certa, o skate vai passar da borda e a roda vai ficar do lado de fora. O copping não é de ferro, e também não é uma barreira! Capricha na velocidade (não tão rápido a ponto de te desequilibrar, nem tão devagar a ponto de você ficar confortável demais) e esquece que aquele cano existe: seu skate vai passar e encaixar o rock’n roll, prometo.
Verdade número 2: agora que você sabe que o rock sempre esteve ali só esperando você mandar, é hora de voltar a manobra, um momento um pouco mais desafiador quando o assunto é skate. O segredo é aliviar o peso do pé da frente, que está do lado de fora do bowl, pra que ele fique bem leve e não trave a sua rodinha quando você puxar o skate de volta pra dentro da pista – evitar assim o temido hang up, que é quando a roda trava.

Tirado o peso do pé da frente, hora de apertar o pé de trás, que está no tail. Apertar mesmo! Para o skate dar aquela levantadinha e ficar livre pra passar pelo copping sem perigo de ficar preso. Tudo isso acontece em um milésimo de segundo, e no começo ele vai dar uma raspada no cano, super normal! E cá entre nós, o barulho é o máximo. Com tempo e prática, você vai conseguir encaixar e voltar no maior silêncio.
Nunca é suficiente, nunca tá bom, sempre dá pra ir além. Rock’n roll conquistado, vale aperfeiçoar a manobra! O rock bonito mesmo é aquele que o skate parece uma gangorra de parquinho: você vai passar a roda da frente e dar uma puxada lindona no tail, fazendo o skate dar aquela balançada estilosa – e sem encostar no copping!

Sonhar – e treinar – é de graça né? Bora subir o nível desse rock.

Para praticar, comece em lugares baixos: rampas na altura do joelho, depois na cintura…  Até a manobra estar tão na base e tão natural que com uma dose de coragem você vai mandar ela em uma pista mais alta que você!

Glossário:

Carving: volta redonda nas paredes do bowl. Aquele surfe no concreto, sabe?
Batida de back side e de front side: quando você está no alto e dá um virada de 180° no skate. De back é quando você vira dando as costas pra quem está do lado de fora da pista, de front é quando você vira de frente pra quem está do lado de fora do pista. Na foto a seguir estou dando uma batida de back side.IMG_2533
Copping: cano de metal que circunda a pista. A borda! Onde as manobras são feitas.
IMG_2534

Dropar: encaixar o skate na borda e botar pra baixo, entrando na pista pra começar o role. Na foto a esquerda estou dropando.

Tail: parte de traz do skate. A da frente é o nose 😉  

Fake: movimento de subir e descer as paredes do bowl, voltando de costas.

To fakie: manobras que você termina voltando de costas. Esse final é adicionado no fim de todos os movimentos que terminam desse jeito, assim como o rock’n roll to fakie!

Texto enviado por Letícia Gerola: jornalista e skatista, não sabe mais viver sem rodinhas no pé. Tempo de skate: 8 meses. Manobra favorita: rock’n roll to fakie. Sonho de manobra: disaster.