Gidget | A lenda do surf feminino Por ThamyCatanante

 

accidental icon gidget

O trecho da música “De repente, Califórnia” de Lulu Santos nos remete a um ambiente que tem uma vibe (vibração) alucinante de muito surf e berço do Skate, a conhecida Califa, que é uma das viagens dos sonhos de muitos surfistas.

E nada melhor do que saber um pouquinho sobre a precursora do Surf nessa terra de ondas maravilhosas e surf lifestyle: Kathy Kohner de Brentwood, conhecida como Gidget, surfista dos anos 1950-60 que se tornou um fenômeno pop que inspirou livro, filme e séries de TV.

Gidget nasceu em 1941 em Los Angeles e cresceu em Brentwood, começou a surfar em Malibu no verão de 1956 e era a mascote do grupo, de uma turma de meia dúzia de meninos que em grande parte deram o tom para o Surf Californiano. Um desses meninos, Terry “Tubesteak” Tracy apelidou Kathy, por ela ser pequena, veio o garota-anã que em Inglês é Girl-midget, logo Gidget.

Gidget sempre perambulava pelo píer de Malibu e ficava observando os meninos surfando. Sentia toda aquela energia e um dia decidiu que precisava ter uma prancha que fosse só sua, então comprou sua primeira prancha por US 35 de Mike Doyle e ia todos os dias para a praia aprender a surfar, passou o verão nas ondas e toda noite quando chegava em casa escrevia em seu diário como havia sido a experiência do dia.

Totalmente fascinada pela vida e cultura do Surf em Malibu, um dia conversou com seu pai, escritor de roteiros para cinema e professor nas faculdades da Califórnia, que queria escrever uma história contando como era essa vida. Como seu pai tinha mais experiência com a escrita, ele sugeriu que ela lhe contasse todos os detalhes que ele iria escrevendo, então em 6 semanas o projeto estava pronto e intitulado de “Gidget” .

 

 

 

O livro foi lançado em setembro de 1957 e vendeu rapidamente; seu pai foi convidado para escrever o roteiro do filme e mais tarde, em 1965 foi criada a série de TV.

Entre os trechos de seu livro, um que mostra toda sua paixão pelo surf é: “Surfar não é como brincar de Monopoly, e quanto mais eu pegava o jeito do surf, mas louca por ele eu ficava, e quanto mais louca eu ficava mais duro eu trabalhava para aprender.”

A cultura do surf continuou a crescer rapidamente nos anos seguintes, revistas de surf foram lançadas, músicas foram criadas e, na época a revista Surfer nomeou Gidget como a sétima surfista mais influente na história e escreve que se não fosse por ela, a juventude americana teria perdido um dos mais potentes ícones na década de 60, com o início de revoltas não baseadas em angústia e raiva, mas sim em alegria.

 

malibu2

 

Gidget | Arquivo: LIFE Magazine

E agora nos perguntamos o que aconteceu com esse ícone, que rumo levou a vida de Gidget? Hoje em dia ela não surfa mais, apenas surfou em Waikiki no seu aniversário de 60 anos, mas passa seus dias no restaurante Duke’s Malibu, que tem uma vibe de surf e que pode contar sobre as histórias dessa grande aventura vivida na sua adolescência.

Mas podemos desfrutar da história contada em páginas cheias de água salgada e areia do livro de Gidget e nesse trailler de um dos capítulos da história que se tornou um filme e uma série!