Crescendo e aparecendo | Por @CarolLucindo

carol

Quando damos início a algo, várias coisas vêm a nossa mente: será que vai dar certo, será que vou conseguir??? Depois que começamos, outros questionamentos surgem: Como é difícil!, Será que não vou aprender nunca?, Não consigo evoluir, vou parar!, etc.

Com o surf não é diferente. Na verdade, posso dizer que esses foram meus questionamentos quando comecei a surfar, e alguns deles, estão comigo até hoje. Quem surfa sabe que esse esporte não é tão fácil quanto parece. Umas têm mais habilidade e desenvoltura dentro do mar, outras sentem medo e colocam o pé no freio. Comecei a surfar a 5 anos atrás, depois de anos e anos de tentativas frustradas. Sempre amei o mar e me jogar em uma onda era o meu sonho de infância. Tinha o surf como um estado de espírito, um estilo de vida que eu desejava a cada dia.

Quando conheci meu marido, para a minha sorte, ele já surfava há quase 10 anos e, como nos demos muito bem desde o começo (como na era de se esperar, levando em consideração nossas paixões em comum), com 2 meses de namoro comprei, finalmente, minha primeira prancha, uma 6’8 linda, a qual tenho até hoje e que ainda me diverte, E MUITO!

Só que, como quase tudo na vida existe um porém, esbarrei na minha insegurança. Minha primeira queda foi linda, mar calmo, dia quente, sol lá em cima. Conforme os meses foram se passando, e o mar mudando, alguns sentimentos tomaram conta de mim. Me tornei uma menina medrosa que via dentro do mar um monstro de sete cabeças, embora o amasse com todas as minhas forças e respirasse o surf a cada minuto do dia.

Mas nem todo o amor do mundo e nem o apoio do meu namorado foram suficientes para eu me destravar. Parecia que tinha algo que me mantinha presa a praia ou se estava dentro do mar, parecia uma boia, daquelas que ficam no outside nas competições, saca? X.X Sentia vergonha de me jogar nas ondas, de levar caldo, das pessoas rirem da minha cara. Eu era a única iniciante, a única menina. E isso se estendeu por anos, prejudicando e muito o meu desenvolvimento no esporte.

Hoje, depois de passados 5 anos do meu inicio, posso dizer que me superei em vários aspectos. Já me joguei em mar grande, com chuva, frio, e vento, já perdi o meu leash surfando sozinha. Ouvi muito de pessoas mais experientes do que eu e cheguei à conclusão mais do que óbvia: colocar empecilhos, usar situações como desculpas pra não se superar e crescer, só prejudica a nós mesmas. O tempo vai passar e um dia você vai se culpar por não ter tentado com mais vontade. Nós podemos tudo que temos vontade, ainda mais se existe amor envolvido.

Medo, vergonha, sentimento de inferioridade só nos fazem andar para trás e perder tudo de bom que o surf pode proporcionar. Ouse, se supere, respeite seus limites, mas busque sempre supera-los.

A sensação de descer uma onda pela primeira vez é indescritível. Só mesmo quem já sentiu pode dizer. Se conseguir… meu conselho?

Respeite o mar e se joga!!

Aloha!