DA SÉRIE: Mulheres que nos Inspiram

Bate papo com Diana Carbone: mãe, surfista, laminadora e esposa de Neco Carbone, um dos maiores shapers do Brasil. Uma mulher admirável com uma linda filosofia de vida, que mostra que devemos sim correr atrás de nossos sonhos!

unnamed (4)
Diana como o surf entrou na sua vida?

Na verdade desde que eu tinha 10 anos eu queria surfar, mas minha mãe não deixava de jeito nenhum, tinha medo do mar porque ela mesmo não sabia nadar.

No meu quarto sempre tive fotos de surf que descolava nas revistas e achava aquilo o MÁXIMO, não entendia nada de surf e pensava que a foto do surfista dentro do tubo era montagem. Bom nessa época não tinha computador e nem internet em casa, então tudo parecia muito distante até que mais tarde eu conheci o Neco.

Ele tinha uma sala de shape na casa dele e com um mês de relacionamento a gente já estava morando junto, eu tinha 20 anos de idade e ele me levava para surfar todos os dias às 6:00 da manhã, passei uma semana na espuma e depois já estava no outside.

unnamed

O casal dividindo a onda em perfeita harmonia.

unnamed (13)

 

 

Como é ser casada com um dos maiores Shapers do Brasil ?

Minha vida mudou muito depois que casei com o Neco, o surfe faz parte da vida dele desde que ele era criança, são mais de 40 anos de envolvimento com o esporte.

Aprendi muito com ele e hoje temos uma família toda do surf, porém nenhum surfista profissional já que lá em casa ninguém nasceu para competir, na verdade somos todos apaixonados pelo mar, pela praia e por pranchas.

unnamed (11)

Família reunida.

Ser casada com shaper é não ter tapete na sala porque enche de areia de praia e pó de shape, é ter prancha pendurada por todos os lados, almoçar na hora da janta e ser feliz por saber que precisamos de pouco para viver.

unnamed (15)

Neco e Diana Carbone

 

Como você começou a laminar?

Comecei a laminar porque estou envolvida diretamente no trabalho do Neco, ajudo a administrar e colocar ordem na oficina. Sempre pintei minhas pranchas, já até tentei fazer alguns shapes, mas tenho muito medo da plaina, e  um belo dia resolvi laminar uma prancha para mim e gostei da brincadeira.

unnamed (8)    unnamed (7)      unnamed (6)

 

O Neco incentiva você trabalhar com laminação? Por ser um oficio dominado pelos homens você sofreu com algum tipo de preconceito? E os outros funcionários da fábrica dão apoio? 

O Neco claro é o meu maior incentivador já laminei 4 pranchas para ele, não sinto preconceito de ninguém na verdade todo mundo me ajuda, o Thyola da Lightning Bolt que trabalha aqui do meu lado sempre me da uns toques, assim como o Roni da The Kryp.

Estou aprendendo muito e agradeço aos meus amigos que estão confiando suas pranchas a mim. Quem tem amigos, tem tudo!

unnamed (5)

Diana laminando na fábrica.

Você é a única mulher no Brasil a laminar?

Não sei se sou a única no Brasil a fazer isso, mas acho que mulher pode fazer o que quiser, certeza que somos mais pacientes e caprichosas para trabalhos manuais. Laminar tem uma parte bem pesada de lixa que eu também faço, mas pretendo ter alguém para me ajudar, pois a minha manicure não está dando conta de manter minhas mãos bem tratadas.

unnamed (10)

Qual é a função mais difícil ser mãe , esposa , surfista ou laminadora ?

Não acho nenhuma dessa tarefas difícil, na verdade tudo que tenho na minha vida foram escolhas, o surf sonho de criança, o Neco um homem maravilhoso que me trata com muito amor e tem uma paciência enorme comigo, ganhei dois filhos prontos do primeiro casamento dele, um dos meninos trabalha com a gente o outro já me fez avó por tabela e o Pedro, que vai completar 11 anos e foi muito desejado por mim, um doce de criança não sei como cabe tanto amor dentro daquele ser.unnamed (9)

unnamed (2)

O trabalho na fábrica que também foi minha escolha e não falta de opção, sou formada em educação física, já trabalhei com várias coisas, mas acordar de manhã e fazer só o que me dá prazer não tem preço, então é tudo com muito amor eu só tenho a agradecer já que estou exatamente onde eu queria estar.

unnamed (16)